quarta-feira, 3 de abril de 2013

O estudante da Universidade de Nova Iorque, Joe Landolina desenvolveu o Veti-Gel aprovado para uso em práticas veterinárias neste verão

13:17


O estudante da Universidade de Nova Iorque, Joe Landolina, de 20 anos, inventou um gel que para instantaneamente hemorragias internas e externas.

(Foto: Cortesia de Joe Landolina)
Disponível neste verão para as práticas veterinárias, Landolina lançou o conceito do produto em 2011, quando ainda era apenas um calouro, e venceu o concurso de negócios competindo contra candidatos com MBA e doutorado.

Plantas com vasos condutores e tecido sintético que crescem e sustentam a estrutura dos organismos, chamadas de matrizes extracelulares (ECM), compõem o Veti-Gel. Esta composição coagula e liga as plaquetas sanguíneas para fechar e começar a cicatrizar as feridas sem pressioná-las, diz Landolina. 

Esta perspectiva lhe permitiu desenvolver o Veti-Gel mais rápido e numa ordem não convencional, diz Marisa Tricarico, 30, associada NYU Innovation Venture Fund. Landolina diz que não sabe sabia como o processo iria funcionar na criação do gel chamado Veti-Gel.
“A ingenuidade realmente nos ajudou a seguir adiante” diz o estudante. “Como um calouro, se eu soubesse da dificuldade que seria este processo, acredito que não teria continuado. Não saber o que aconteceria depois nos ajudou a seguir em frente”.

Foi um processo gradual de pesquisa baseado em tentativas e erros. Ao contrário dos cientistas que tentaram e falharam em replicar a matriz extracelular humana, Landolina desenvolveu células que são similares às matrizes extracelulares do corpo, mas não são idênticas.

Esta similaridade não impediu o sucesso do Veti-Gel – houve um reconhecimento imediato. Mas Landolina diz que não sabe o motivo.

“É muito difícil saber exatamente como o gel funciona”, diz ele. “Você pode isolar o sangramento que é a melhor solução para o tratamento do trauma”.

O Veti-Gel fechou com sucesso as lesões no fígado e nas artérias carótidas de ratos, mas são necessários mais testes para a aprovação do FDA e distribuição para os seres humanos, segundo Landolina. Por exemplo, não se sabe se é seguro deixar o gel no corpo por longos períodos de tempo.

Veja o vídeo do funcionamento do Veti-Gel

O cirurgião cardiovascular Dr. Hebert Dardik, de Englewood, Nova Jersey, irá supervisionar os testes adicionais em animais de grande porte.

A pouca idade de Landolina não o impede. Em vez disso, por ser estudante, ele traz frequentemente novas informações para os testes que melhoram o Veti-Gel, diz Isaac Miller, 23 anos, co-criador da companhia deles, a Suneris Inc.

" Esta é a habilidade do Joe, não só ter uma compreensão profunda na criação da tecnologia, mas também pensar de maneira criativa sobre novas formas em que a ciência e tecnologia podem ser concebidas junto", diz Miller.

Cursando engenharia química e bimolecular , Landolina aliou-se a Miller após a competição de negócios, quando eram apenas estudantes. Miller, então aluno, foi assistir ao concurso de negócios apenas com plateia por causa do seu interesse em empreendedorismo.

"É comum que os alunos de pós-graduação e professores tenham a sua própria tecnologia e patentes, mas é interessante quando você encontra isso nesse nível de graduação", diz Tricarico. "O fato de Joe surgir com esta ideia tão jovem é impressionante."

Miller diz que ele é responsável pela comercialização do Veti-Gel para os cirurgiões, serviços de emergência médica e militares durante o próximo ano e meio. De acordo com Landolina, a ECM derivada de plantas será a mesma nestes três setores, mas haverá variações de produtos para atender a diferentes necessidades.

A dupla criou a Suneris não só para promover o Veti-Gel, mas também a tecnologia médica, pois Landolina planeja fazer carreira nesta área. Isso depois de se formar em engenharia biomédica e obter o título de mestre antes dos 25.

"Eu sei onde eu quero chegar e estou realmente apreciando o passeio agora", diz Landolina.

Com aulas noturnas na universidade e trabalhando durante o dia na Suneris, Landolina diz que tornou-se normal viver com uma agenda lotada. Apesar de ter sido difícil gerenciar tudo no começo, Landolina diz que está feliz contanto que ainda que produza tecnologia médica tornando a vida mais fácil.


Fonte: USA Today
Texto: Stephanie Haven
Tradução: Patricia Naomi Tomisawa
Revisão: Evadne Azeredo Will

Written by

We are Creative Blogger Theme Wavers which provides user friendly, effective and easy to use themes. Each support has free and providing HD support screen casting.

0 comentários:

 

© 2013 Espaço VetZoo. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top