terça-feira, 27 de março de 2012

Vacinação de tilápias eleva produtividade no criatório

10:38

O processo de vacinação é simples. Antes de ser vacinado, o peixe é levemente sedado, provendo melhor conforto e bem-estar ao animal. A vacina é injetada na barriga (cavidade abdominal)
Limoeiro do Norte

 A vacina é principal arma contra a Estreptococose, doença que causa a mortalidade de peixes adultos

Chegou neste ano ao Brasil uma novidade que já está trazendo bom retorno a produtores de peixes em cativeiro. Para combater doenças e melhorar a produtividade, já acontece no Ceará a vacinação de tilápias. O Estado, que é o maior produtor dessa espécie de peixe no País, agora difunde esse tratamento profilático para o animal que incrementa em até 15% a sobrevivência da criação. A vacina chegou como principal arma contra a Estreptococose, um mal que tem atingido os peixes e comprometido as criações. Produtores de tilápia em Municípios como Jaguaribara, Pentecoste e Cascavel já aderiram à novidade, com aposta no retorno financeiro que traz o cuidado com o bem-estar dos peixes.

O criador Lucas Alder, da Fazenda Itaparati, Município de Pentecoste, foi o primeiro beneficiário do Nordeste com a vacinação de tilápias-do-nilo, uma das espécies de peixe mais cultivadas no País. O processo de vacinação é simples. Antes de ser vacinado, o peixe é levemente sedado, provendo melhor conforto e bem-estar ao animal. A vacina é injetada na barriga (cavidade abdominal). A imunidade dura pelo menos 210 dias. Quanto à aplicação com agulha, o processo é considerado seguro e não causa mortalidade nos animais. "A agulha é apropriada e não machuca o peixe", afirma Rodrigo Zanolo, gerente de produto da MSD Saúde Animal, empresa que trouxe e tem disseminado a prática da vacinação da tilápia no Brasil. Este processo já é realizado há anos em atividades mais tradicionais de criação de peixes no mundo, como as produções de salmões no Chile e Noruega. O método injetável da vacina é considerado um dos mais eficientes.


De acordo com o engenheiro de pesca, Leonardo Cericato, a vacinação de tilápia é uma das melhores estratégias não só no combate à doença Estreptococose como uma salvaguarda no melhor rendimento e produtividade dos peixes. Leonardo é doutor em Aquicultura e Águas Continentais pela Universidade do Estado de São Paulo (Unesp) e coordenador de Território Aquicultura da MSD, Saúde Animal.

A Estreptococose é uma doença causada por uma bactéria chamada Streptococcus agalactiae e é considerada a doença de maior impacto econômico na tilapicultura mundial. No Brasil a doença apresenta distribuição em todos os polos de produção, do Nordeste ao Sudeste. As principais perdas são de animais adultos (pesam acima de 100 gramas); essa bactéria causa quadros clínicos severos de septicemia e encefalite, infecções do sistema nervoso central, em tilápias na fase de engorda, principalmente durante os meses mais quentes no ano.

A doença é observada com frequência nos cultivos em tanques-rede e a mortalidade pode ser elevada, causando prejuízos econômicos consideráveis aos produtores. Os surtos podem apresentar mortalidades de 5% a 40%, dependendo dos fatores de risco envolvidos. Mas o prejuízo não é só na mortalidade. Outra perda está associada aos animais sub-clínicos, que mantêm a doença na criação e trazem baixo desempenho ao lote.

A Merck (conhecida como MSD fora dos Estados Unidos e do Canadá) é hoje a líder no ramo de assistência à saúde animal. A Merck Animal Health ficou conhecida no Brasil como MSD Saúde Animal. Oferece a veterinários, fazendeiros, proprietários de animais de estimação e governos variedade de produtos farmacêuticos veterinários, vacinas e soluções e serviços de gerenciamento de saúde.

A vacinação ainda configura um avanço no tratamento de doenças com peixes, antes tratadas com antibióticos incorporados à ração (para animais em engorda) e que acabavam gerando impacto no ambiente, por associar resíduos químicos à água e também causar a seleção de bactérias resistentes.

O Ceará é o maior produtor de peixe em cativeiro do Brasil. A tilápia é o que desponta, e o Ceará responde por 20% da produção nacional. De acordo com a Associação Cearense de Aquicultores (Aceaq) a produção de tilápia aumentou 50% entre fevereiro de 2011 e mesmo mês em 2012. E a expectativa é de 30 mil toneladas de tilápia no Ceará neste ano. De acordo com a Agência de Desenvolvimento Econômico do Ceará (Adece) a tilápia é produzida em cerca de 60 açudes em 57 Municípios do Estado. Orós, Jaguaribara e Pentecoste estão entre os principais municípios produtores.

Autor: Melquíades Júnior
Repórter do Jornal Diário do Nordeste

Written by

We are Creative Blogger Theme Wavers which provides user friendly, effective and easy to use themes. Each support has free and providing HD support screen casting.

0 comentários:

 

© 2013 Espaço VetZoo. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top