sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Biochip pode ajudar a acabar com experiências em animais

11:14


Um novo biochip capaz de avaliar o impacto de substâncias químicas sobre mais de 1.000 tipos de células do corpo humano poderá reduzir dramaticamente o uso de cobaias vivas no processo de desenvolvimento de novos medicamentos e eliminar totalmente a realização de experiências com animais na indústria química e de cosméticos.
Fim das experiências com animais
Os testes de toxicidade atualmente exigem o uso de animais para descobrir se um composto químico ou um novo medicamento é tóxico ou não para o ser humano, para outros seres vivos ou para o meio ambiente.
[Imagem: Moo-Yeal Lee/Rensselaer]
Essa prática, contudo, tem sofrido pressões de dois lados: em primeiro lugar, a quantidade de compostos químicos que precisam ser testados a cada ano tem aumentado exponencialmente, principalmente em razão de novas legislações que exigem que esses testes sejam feitos para uma gama muito maior de produtos e materiais. E, em segundo lugar, tem crescido muito a pressão da sociedade pelo fim dos testes em animais.
Testes de toxicidade
O novo biochip pode ser a solução, com a vantagem de permitir que os testes sejam feitos em alta velocidade, em escala industrial. Ele mostra o potencial de toxicidade do composto químico para vários órgãos do corpo humano e se esse composto químico se torna tóxico depois de ser metabolizado pelo organismo, tudo em um único teste.
"Nós observamos os problemas com que as empresas estavam se deparando e vimos que precisávamos desenvolver algo que tivesse baixo custo, alto rendimento, fosse facilmente automatizável e não envolvesse animais," explica o professor Jonathan S. Dordick.
Função do fígado
Dordick foi um dos criadores do Metachip, um biochip desenvolvido em 2005 e capaz de imitar as funções desempenhadas pelo fígado humano (veja Chip biotecnológico imita fígado humano). Agora, ele e sua equipe desenvolveram o novo biochip, que eles batizaram de Datachip.
Culturas tridimensionais de células
O Datachip é um microlaboratório formado por 1.080 culturas tridimensionais de células humanas. A estrutura 3D replica de forma mais realista a forma como as células se organizam no interior do corpo humano, permitindo a realização de testes mais confiáveis.
Os pesquisadores acreditam que a indústria de cosméticos deverá ser a primeira a receber os benefícios do novo biochip, porque essa indústria tem sido alvo de maiores pressões para o fim do uso de testes em animais.
Medicina personalizada
"Nós ainda continuamos distantes da medicina personalizada, mas o Metachip oferece essa possibilidade no futuro," disse Dordick. "Quando associado ao novo Datachip, os dois biochips poderão um dia ser utilizados para determinar os níveis e combinações de medicamentos que são seguros e eficazes para cada paciente individualmente," disse ele.
Bibliografia:

Three-dimensional cellular microarray for high-throughput toxicology assays
Moo-Yeal Lee, R. Anand Kumar, Sumitra M. Sukumaran, Michael G. Hogg, Douglas S. Clark, Jonathan S. Dordick
Proceedings of the National Academy of Sciences
December 26, 2007
Vol.: Published online before print
DOI: 10.1073/pnas.0708756105

Fonte: Inovação Tecnológica

Written by

We are Creative Blogger Theme Wavers which provides user friendly, effective and easy to use themes. Each support has free and providing HD support screen casting.

0 comentários:

 

© 2013 Espaço VetZoo. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top