quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Brasil apoiará ações de emergência no Paraguai

11:46


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, por meio do Departamento de Saúde Animal (DSA), disponibilizará especialistas para auxiliar as autoridades paraguaias na investigação e erradicação do foco de febre aftosa. A decisão foi tomada em conjunto com os demais países integrantes do Comitê Veterinário Permanente do Conesul (CVP) após o encerramento da reunião ordinária realizada em paralelo ao Encontro Nacional de Defesa Sanitária Animal (Endesa), ontem.


O pedido de apoio partiu do presidente do Serviço Nacional de Qualidade e Saúde Animal (Senacsa, sigla em espanhol), Carlos Simon, durante a reunião com representantes da Argentina, Uruguai, Chile e Bolívia. A ideia é integrar os serviços veterinários e definir uma estratégia conjunta para colaborar com as autoridades paraguaias e contribuir com a segurança da região. Segundo Simon, o país vem adotando todos os procedimentos recomendados pela OIE e já sacrificou 819 bovinos, mas precisará de apoio técnico e científico para avançar no processo. O reforço já foi solicitado para o Centro Panamericano de Febre Aftosa (Panaftosa, sigla em espanhol), que deverá formular um plano de cooperação e enviar uma missão ao país nos próximos dias. A estimativa é de que os prejuízos provocados pela doença alcancem os US$ 300 milhões até o final do ano no Paraguai.

“O objetivo é fortalecer e complementar as ações que o Paraguai já vem fazendo. Precisamos trabalhar de forma estratégica, com base em ciência e atuação cooperada para que possamos ter todo o continente livre de aftosa. Risco zero não existe em nenhum país do mundo. Até mesmo o Japão, que é uma ilha, teve um caso recentemente. É um inimigo invisível e permanente, que exige um trabalho que não cessa jamais”, salienta o diretor do DSA e representante do Brasil no CVP, Guilherme Marques.
O Ministério da Agricultura deverá contribuir com apoio operacional e de especialistas das áreas de epidemiologia, vigilância e diagnóstico laboratorial, além das medidas de prevenção que já vêm sendo intensificadas pelo Brasil na fronteira com o Paraguai desde a notificação do foco, em 19 de setembro. Entre elas estão o acionamento do alerta sanitário nos quatro estados mais próximos – Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul -; apoio militar na fiscalização até o final de outubro (podendo ser prorrogado por igual período); deslocamento de um número maior de fiscais federais agropecuários para a região; proibição da importação de animais suscetíveis e produtos que representem risco; reforço da fiscalização de trânsito de animais, produtos e sub-produtos na fronteira; desinfecção de veículos e avaliação da estratégia diariamente por meio de videoconferências desde Brasília até as ações desenvolvidas nos estados.
De acordo com Marques, o Brasil desenvolve um trabalho de prevenção diferenciado na divisa com o Paraguai desde 2007 – quando foi definida a Zona de Alta Vigilância (ZAV) - e, hoje, o país é uma referência profissional, técnica e econômica para a América do Sul, com o maior rebanho comercial do mundo.
“Nunca estivemos tão preparados para enfrentar um desafio externo como agora. As estruturas veterinárias brasileiras, tanto no âmbito federal quanto estadual, estão aptas a reduzir de forma bastante expressiva o risco de reintrodução da febre aftosa no Brasil”, avalia.
O diretor do DSA reforça, ainda, que todos os atores envolvidos no processo – veterinários privados, fazendeiros e cidadãos – devem estar atentos e informar ao serviço veterinário oficial qualquer suspeita da ocorrência de febre aftosa no país.
“Quando um sistema de vigilância não tem suspeitas de febre aftosa, passa a ser suspeito o próprio sistema”, alerta.

Written by

We are Creative Blogger Theme Wavers which provides user friendly, effective and easy to use themes. Each support has free and providing HD support screen casting.

0 comentários:

 

© 2013 Espaço VetZoo. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top